Liberação miofascial: o que é isso?

Saiba mais sobre a técnica que pode melhorar seu desempenho nos treinos.

Cada articulação é responsável por desempenhar um papel quando nos referimos a atividade física. De maneira geral elas devem oferecer mobilidade e estabilidade suficiente para que o corpo seja capaz de se movimentar sem desequilíbrios.

Dentre as várias articulações que possuímos, devemos dar atenção especial ao funcionamento de 6 regiões:

  1. Tornozelo: deve possuir mobilidade no plano sagital (movimentos para frente e para trás);
  2. Joelho: deve ser estável ou ter ligamentos, tendões e músculos ao redor fortalecidos;
  3. Quadril: trabalhar a mobilidade multiplanar (movimentos em todas as direções, para frente e para trás; para direita e para esquerda; rotação na horizontal e na vertical);
  4. Lombar (base da coluna): as articulações que compõem essa região não devem ser muito movimentadas e sim possuir o maior grau de estabilidade e força;
  5. Toráxica (meio da coluna): aqui sim a mobilidade deve ser aprimorada em vários planos, movimentos para frente e para trás; para direita e para esquerda e rotação na horizontal devem ser feitos;
  6. Ombros: a mais complexa, pois deve ter mobilidade e também estabilidade (movimentos em todas as direções devem ser trabalhados, para frente e para trás; para direita e para esquerda; para cima e para baixo; círculos na horizontal e na vertical)

E agora você pergunta, mas por que isso tudo?

Hoje vivemos correndo sempre no mesmo lugar, trabalhamos muito e nos movimentamos pouco. O resultado é o surgimento de disfunções articulares e musculares que ocasionam as mais diversas condições:

  • Incômodo localizado;
  • Déficit de atenção;
  • Dores de cabeça;
  • Dores nas costas (lombalgias);
  • Dores cervicais (no pescoço)
  • Problemas respiratórios;
  • Dificuldades de coordenação motora;
  • Desvios na coluna (escolioses, cifoses e lordoses acentuadas);
  • Tendinites;
  • Fibromialgia;
  • Dores crônicas;
  • Depressão;
  • Lesões esportivas recorrentes;
  • Artrite e artrite reumatoide;
  • Paralisias;
  • Labirintites;
  • Inflamações em ligamentos, tendões ou músculos;
  • E muitas outras situações.

Agora sou eu quem pergunta você sabe o que é Fáscia?

Observe as imagens abaixo:

fasciaFascia

Todos os nossos músculos, ligamentos e tendões são revestidos por um tecido de conexão chamado Fáscia. É ela quem transmite a informação dos movimentos para todos os segmentos corporais e por isso possui uma grande quantidade de receptores sensoriais.

Para evitar ou reduzir os desequilíbrios que desenvolvemos ao longo de anos de pouca movimentação, utilizamos antes e/ou após as sessões de treinamentos uma técnica que se chama Liberação Miofascial. Com ela estimulamos a fáscia e seus receptores, e como resposta, temos um relaxamento das fibras dos tecidos que estão ao seu redor.

O objetivo dessa técnica quando pensamos em exercício, é preparar o tecido muscular para exigência física, promover liberação das adesões fasciais e musculares, facilitar o movimento e reduzir dores articulares e musculares.

Para realizá-la usamos equipamentos como bolas de lacrosse ou tênis, rolos de massagem, bolas de softball, para exercer pressão em pontos específicos do corpo. Essa pressão envia um sinal para o cérebro identificando o ponto de dor, a resposta cerebral é promover um relaxamento de toda rede fascial e, com a fáscia relaxada, os padrões de movimentos melhoram assim como o fluxo sanguíneo para região. Isso contribui para uma melhor recuperação dos tecidos também trabalhados ou lesados, por isso é uma técnica muito utilizada por Fisioterapeutas na reabilitação.

rolo LMF2 LMF1 

LMF3

Comece a praticar e diga adeus as dores!

😉

Os comentários estão encerrados.