Câncer e exercício

Convivo com o questionamento sobre utilizar anabolizantes para aumentar a performance, massa muscular, ou qualquer outro objetivo. Minha resposta é sempre a mesma “Não recomendo. Essas substâncias foram desenvolvidas para tratamento de doenças. Há diversos riscos em utilizar anabolizantes sem necessidade e acompanhamento médico”. O caso mais recente foi da ex-BBB Maria Melilo, que teve que retirar 70% do fígado, por causa do surgimento de câncer.

Mas o que é o Câncer?

Durante a vida nossas células se multiplicam, crescem e morrem esse é um processo natural e normal. Contudo, se por algum fator ocorrer um desequilíbrio na regulação do crescimento celular, podemos ter o aparecimento de uma massa denominada TUMOR ou NEOPLASIA, que nada mais é do que o crescimento desordenado dessas células, e pode ser classificado como Benigno ou Maligno.

Dependendo do tipo de célula e local onde esse tumor for encontrado ele pode receber 4 nomes:

  • Carcinoma (origem nas células epiteliais, glândulas e órgãos internos) representa cerca de 80% a 90% dos cânceres (ex:. próstata, cólon, pulmão, cervical e mama);
  • Leucemia (origem nas células do sangue);
  • Linfoma (origem no sistema imune);
  • Sarcoma (tecidos conjuntivos, como ossos, tendões, cartilagem, gordura e músculos).

O câncer é muito poderoso e por isso deve ser diagnosticado cedo para que o tratamento tenha maior probabilidade de sucesso, pois após um certo estágio de crescimento celular desordenado essas inúmeras células agora precisam ser nutridas, então o próprio tumor libera o VEGF ou Fator de Crescimento Endotelial Vascular (Vascular Endothelial Growth Factor). Este fator estimula a Angiogênese, crescimento do tecido vascular, então novos vasos sanguíneos são formados e nutrientes e oxigênio podem ser levados até as células. Isso mesmo, o próprio câncer cria um caminho para poder se alimentar e continuar crescendo! O tumor mata as células normais e vai ocupando o órgão, que aumenta de tamanho. O risco aumenta se alguma dessas células cancerígenas cair na corrente sanguínea, pois o câncer pode se espalhar, isso se chama Metástase. Veja no vídeo abaixo como isso ocorre.

Aí está o perigo dos anabolizantes, pois as alterações que ocorrem na célula muscular de quem faz uso podem continuar ocorrendo por até 10 anos.  Um estudo em ratos realizado Universidade de Oslo (Noruega), publicado no Journal of Physiology, concluiu que o consumo de testosterona por um curto período pode facilitar o ganho de massa muscular por até dez anos, o que é preocupante, pois os efeitos podem ser os mesmos em humanos.

No estudo, os pesquisadores dividiram ratos em 2 grupos, sendo que, em um deles, todos os animais receberam injeção de testosterona. Três meses depois, os animais realizaram 6 dias de atividade física intensa, porém os ratos que receberam a substância no organismo tiveram um ganho muscular de 30%. Nos demais, este índice foi de apenas 6%. Segundo os cientistas, os esteroides podem facilitar o desenvolvimento da massa muscular, mesmo que estes hormônios já não sejam mais utilizados pelos atletas há um bom tempo.

É o que relata também o oncologista Wesley Vargas Moura, sobre o caso ex-BBB, “o anabolizante provoca uma modificação genética da célula. Ele vai mudando o fígado. E isso ocorre quanto mais você toma a droga. A ação no órgão depende do tipo de anabolizante utilizado. E a célula começa a crescer sem controle. Uma gera duas, duas geram quatro, quatro geram oito. Quando a mesma célula faz 30 divisões, ela tem praticamente o tamanho de uma azeitona. Depois, fica do tamanho de uma bolinha de tênis. O problema não é nem aumentar de tamanho. Mas a célula cancerígena pode cair na corrente sanguínea e ir para o pulmão, o cérebro, o peritônio. O maior problema é que, quando o paciente apresenta algum tipo de sintoma, o câncer já está bastante avançado. Antes disso, ele é silencioso. Muitos frequentadores de academia não levam as orientações a sério. Aí mora o perigo de alguém ir a público e dar depoimentos, dizendo que usou as drogas e não teve problemas. Essa mesma pessoa pode desenvolver um câncer até 15 anos depois”.

Portanto pessoal, não tenham pressa em conseguir resultados. A real importância deles está na jornada até conquistá-los, tentar tomar um caminho mais rápido pode ser fatal. Talvez não agora, mas quem sabe daqui a 2, 3, 7, 10 anos, o risco não vale a pena!

Recomendações para aplicação de exercícios para pacientes com Câncer

  • Exercícios que envolvam grandes grupos musculares
  • Frequência de 3 a 5 vezes por semana (dependendo do quadro do paciente)
  • Caso haja toxicidade com o tratamento (queda no sistema imune), suspender treinamento
  • Intensidade moderada, dependendo do nível de aptidão física e da gravidade dos efeitos colaterais do tratamento (50% a 75% do VO2máx / 60% a 80% da FCreserva / 11 a 14 na Escala de Percepção de Esforço)
  • Duração de 20 a 30 minutos contínuos (Contudo, será necessário alcançar este objetivo através de múltiplas sessões intermitentes de curta duração. Ex: 5 a 10 minutos com intervalos de repouso nos pacientes descondicionados ou c/ efeitos colaterais)
  • A progressão da intensidade e duração devem ser aumentadas apenas quando os objetivos traçados forem alcançados

 

Abraços e bons treinos!

 

FONTES:

  • Ingrid M. Egner, Jo C Bruusgaard, Einar Eftestøl & Kristian Gundersen (2013) A cellular memory mechanism aids overload hypertrophy in muscle long after an episodic exposure to anabolic steroids. Journal of Physiology
  • Rajarajeswaran P, Vishnupriya R. Exercise in cancer. Indian J Med Paediatr Oncol 2009;30:61-70
  • gazetaonline.globo.com

 

Os comentários estão encerrados.